Os 13 Porquês, não é pra todo mundo

+ indicações de filmes, série e mangá com a mesma temática 
tem spoilers da série, viu? e a visão através da minha vivência

Não é pra todo mundo e não é por se tratar de suicídio, mas sim, como a forma que tudo é exposto. Caso você tenha lidado muito tempo com depressão ou algum transtorno que te faça pensar ou querer recorrer ao suicídio, como bipolaridade e bourdeline, realmente não acho que a série seja pra você. E assim, caso esteja se tratando de algum transtorno, você pode decidir melhorar sem precisar ver essa série, ao meu ver. Eu vi até o quinto episódio (considerados leves por quem assistiu tudo), e já foi um tiro em meu próprio pé e fiquei morrendo de medo de ter uma recaída com a depressão, mas tem uns quatro dias que parei de ver e ufa, tô melhor! A série causa muito mal estar. Pra quem já tem o emocional abalado, ao meu ver, não recompensa. 

Mas, te recomendo um mangá que retrata o mesmo tema e envolvendo adolescentes, chamado Orange. É lindo e toca a alma de um jeito bom e você acaba não apenas cheio de esperança, como também sabendo que sempre podemos ser melhores. Também tem um filme, que é bem mais leve e creio que tem na Netflix, que é Se Enlouquecer, Não se Apaixone. Muito bom! E ainda tem outro, que trata de forma muito humana pessoas neuroatípicas e como melhorar, também requer o interesse e compromisso da própria pessoa, que é o Garota Interrompida. Que creio que também está no Netflix. Os três retratam o tema, chorei com os três, mas não me levou pra nenhum lugar ruim. Criatura mole demais que nem eu é um negócio delicado e coisado, viu? hehe A série só me fez pensar no quanto o ser humano consegue ser ruim e como uma situação desastrosa vai te levando a outras. E a série acaba com provavelmente mais um suicídio e um provável futuro massacre, acompanhado é claro, de suicídio. Então é uma série muito pesada. Muito. Toneladas. Por isso não recomendo essa série também, pra quem é sensível demais. Alguém muito empático pode ficar realmente péssimo com essa série. Vi gente dizendo que vomitou, outros dizendo que quase desmaiaram. Gente, que é isso? Acho realmente desnecessário. Pois é tudo pesado o tempo todo e a série é longa demais, então, nossa. É tipo se forçar a uma tortura.

Ahhh! E tem minha série favorita, que é My Mad Fat Diary, que fala muuuuuito sobre tudo isso e totalmente na visão da personagem principal. E mostra os altos e baixos dela, tem compulsão alimentar, tem machucados intencionais, tem tentativa de suicídio... mas fala-se abertamente sobre os problemas, ela faz terapia, ela acabou de sair de uma internação e a mostra reconstruindo a vida dela e dando a volta por cima. É uma série belíssima e não entendo de não ter feito metade do sucesso que Os 13 Porquês fez. Já existem sim, séries, filmes, livros e até mangás que falam sobre suicídio e doenças mentais. A diferença é que nunca se teve um alcance tão grande como a série da Netflix alcançou. Creio que num misto de redes sociais onde todo mundo vive (ou quase isso) e a forma que causa comoção em quem assiste.

Pra quem eu recomendo a série? Pra pessoas machistas, no geral. A série retrata muito bem o que é ser mulher nesse mundo. Quem sabe assim, finalmente entendam. Recomendo também pra quem sempre resume tudo com "ah, mas eu só estava brincando". Também acho válido ver a série pra quem acha que tudo que adolescente passa, é drama. Eu fico besta como esse povo esquece o que é ser adolescente, viu? Por isso que eu não simpatizo com adultos desde que sou criança. Adolescentes são mais intensos e impulsivos que o normal, além da sensação de deslocamento e a necessidade de pertencer a algum grupo ou alguma coisa. E ainda, é claro, ser ignorado pelos adultos. Muita coisa pode dar errado no meio do caminho. A série mostra isso claramente. Ela literalmente esfrega na sua cara. Quando é uma realidade que você não sabe que existe, é tipo "uou", mas quando é algo que você tem noção, ao esfregar, só faz machucar. É tipo "eu sei, eu sei que é assim" e eu tinha vontade de berrar assistindo, me angustiava demais ver ela se deteriorando e o Alex também e ninguém fazia nada. E eu me via neles, então foi demais pra mim. Fui até o quinto episódio e até fui longe demais.

Acho uma série inválida? Não. Mas é uma série que é delicada demais. A série não segue as regras da OMS, o que acho muito perigoso. Demais. Deveria ter avisos sobre gatilhos desde o primeiro episódio! Pois ainda que a maioria esteja digerindo tudo bem, já vi vários relatos (inclua o meu, agora) de quem viu e ficou péssimo. Teve até caso de suicídio. Isso por a pessoa ter relatado que estava vendo. E as que não irão contar que estavam assistindo? E a repercussão da série lá fora? Enfim. Eu espero que o saldo não negative mais do que negativou e que realmente ajude as pessoas. Pra resumir, eu tenho lá todo um histórico com depressão, ansiedade, suicídio e traumas. Então suicídio é um tema presente demais em minha vida, então a série pra mim, é inviável. E talvez para outras pessoas também. Por isso tô escrevendo o post. Eu parei de ver a série quando li mais sobre os riscos em que estava me colocando. E minha saúde mental está acima de qualquer série do momento, né. É bom manter essa linha de pensamento ou a gente não vive. 

Não é bem uma crítica para a série, é um aviso. Que ela não é uma série pra todo mundo, sabe? Não recomendaria mesmo para menores de 16 anos, assistir algo assim. Até essa idade a gente ainda é mais facilmente impressionável, sim. As coisas chocam mais. Só com o tempo que a gente vai virando mais casca grossa (e olhe lá). E indiquei títulos que tem a mesma temática, caso queira ver algo sobre ou algo mais sobre. É bom as pessoas falarem sobre isso. Tabus estão ai para serem quebrados, não é mesmo? E que mais vidas possam ser salvas.

Ana Débora, com carinho e gratidão

Abril, abra-se pro melhor


Abriiiiiiiiiiiiil! Mês do outono todo, que maravilha! Não vou mentir que quando penso apenas no lado pessoal, tipo eu ter um teto agradável pra morar e ver, ouvir e de certa forma sentir a chuva, a trovoada, os relâmpagos, o cheirinho da grama molhada, o frescor, o céu cinza... ai, amo! hahaha 

Eu pensei na palavra abril e logo em seguida me veio a palavra abrir, estar receptivo. Então logo juntou: abrir-se pro melhor. Mas como escrevo pra quem me lê e não mais só pra mim: abra-se pro melhor. Depois de termos sido melhores, depois de viver com sabedoria, depois de termos mais um (re)início, que possamos dessa vez, nos abrir para o melhor. Muitas vezes existem possibilidades maravilhosas na nossa frente piscando, fazendo de tudo pra se mostrar pra nós, mas a gente ou não enxerga ou não se acha pronto ou merecedor daquilo. Mas assim, a gente nunca está pronto e creio que tudo de bom que chega pra gente é por a gente merecer, viu? E no quesito enxergar, trabalha teu coração e tua mente pras coisas boas. Elas são maravilhosas e merecem ser vividas. Você merece vivê-las. 

Melhor de quê? Melhor da vida, logo, melhor de tudo! Estava pensando nessa madrugada como ter ódio acaba sendo mais fácil, já que ele surge quando alimentamos muita raiva durante muito tempo. Enquanto que, ao meu ver, a felicidade (que vejo como plenitude), surge quando cultivamos a alegria, a paz e o amor. Mais "ingredientes", né? Mas com um resultado tão melhor... o esforço vale tanto que não sou capaz de colocar em palavras, no momento.

Desejo que em abril, possamos nos entregar ao melhor. E apenas o melhor. 

fiz com inspiração na imagem do post :3

Ana Débora, com carinho e gratidão