Como você se trata?


Eu entrei num processo de desintoxicação em relacionamentos pessoais e a ressaca moral, emocional e psíquica, pareciam que não iriam acabar nunca. Mas acabaram. Mas não é uma limpeza real se a gente não se revisar também. Se algo muito ruim aconteceu em nossa vida e isso foi se repetindo com um certo padrão (sabe quando a gente solta um "por qual motivo isso sempre acontece comigo?", abre o olho, migaaaaa), é que a lição não havia sido aprendida. Você ainda não mudou o que deveria ter modificado. É sério! hahaha E isso não tem haver só com espiritualidade não. É algo bem óbvio, até. No sentido lógico da questão mesmo. Eu aprendi um bocado com isso e não sou do tipo que guarda o que descubro, então vim contar algo sobre isso para vocês. Talvez te ajude! c:

Tem gente que diz assim "eu devo ser uma pessoa ruim, pois só atraio gente assim". Bom, talvez você seja realmente uma pessoa que alimenta o lado ruim mais do que o bom... só que você não percebe. A gente sempre repara no modo que tratamos o outro. E algumas vezes, como o outro nos trata. Mas, ei. Como você se trata? Você é gentil com você? Você cuida da sua alimentação, do seu sono, do seu prazer? Você entende seus erros e fracassos? Você se trata de forma igual a que trata os outros ou não liga tanto assim pra você?

Teve uma coisa que eu demorei muito pra perceber... que os outros nos tratam, como a gente se trata. As coisas mais essenciais da vida, ninguém ensina pra gente. É impressionante! Inclua o amar a si mesmo nessa lista! E inclusive o que já falei aqui, que o seu projeto de vida é você mesmo. E como num filme/livro famoso disse por aí e é uma verdade verdadeira: a gente aceita o amor que a gente acha que merece. E isso não é apenas no amor, isso se estende pra tudo na vida. É no respeito, nas palavras, na sinceridade e por aí vai.


Então por isso, eu te pergunto: como você se trata? Pense nisso com cuidado. Vá com calma. Geralmente a gente não para de fato para pensar nisso. Somos criaturas cheias de baixa auto-estima e de cobranças constantes. É uma misturinha do terror e a gente bebe ela todo dia, se deixar. E pode ter itens ainda piores no meio disso tudo. A gente não se repara muito, né? Ninguém nos ensina a cuidar da gente. Ninguém nos ensina a lidar com nossos sentimentos, principalmente os piores. Aqueles que quando a gente sente quando criança, somos silenciados pelos adultos. Justamente aonde se necessita mais atenção. Mas é bom que a gente cresce e nos tornamos nossos próprios adultos. Então podemos nos ouvir e nos curar.

Então cuida de você, tá? E cuida bem. Com amor, carinho e atenção. Pois você merece. Se trate bem e só aceite aquilo que te soma, te acrescenta. Começando por você. E aceite que você merece tudo que é de bom! Aceite! Aceite aquele amor seguro, aceite aquela amiga que nunca te larga a mão, aceite aquele emprego que te fará tão bem. Aceite que você merece tudo isso, pra que quando chegar, você reconheça e  não os deixe ir. E que sim, os agarre com todo o seu coração e força!

Se cuide bem, com amor, carinho e compreensão. Ande do seu lado, se dê a mão. Não abra em hipótese alguma, mão de você.

Ana Débora, com carinho e gratidão
fiquei inspirada do nada... hahaha 

Março, mais um (re)início


Março, seja bem vindo! O mês em que começa a minha estação favorita! hahaha Querido outono. Março, o mês que se inicia bem depois do carnaval e por muitos é considerado de fato, o início do ano. E para alguns poucos, que acreditam no ano novo astrológico, que acontece quando o Sol entra em Áries, o primeiro signo do zodíaco. Pra ser sincera, considero os dois. Talvez por isso e pela própria pegada que o outono nos passa, eu veja dessa vez o mês de março, como uma segunda chance de novo início. 

Esse início que a gente tanto almeja, não é? A gente é ensinado tanto a focar no final, que a gente esquece que cada momento, até o de indecisão, importam. Que até os nossos momentos de dor e fraqueza, fizeram parte da nossa jornada. Que cada passo e até mesmo cada queda, importam. Fazem parte do processo. Fazem parte do objetivo final. Um objetivo final só é conquistado com pequenos objetivos, superados a cada dia. E é por isso que eu adoro tanto o outono. Já escrevi isso aqui uma vez. De que é no fim, que se encontra o recomeço. O outono nos lembra como tudo é passageiro. E que tudo bem. Nem sempre o fim de algo é triste. E tudo é transitório. E no fim, essa não é a beleza de tudo? Não é por saber que se tem um fim que acabamos viver da melhor maneira possível? Viver sem vírgulas.

Que em março, possamos nos lembrar que todo dia é dia de recomeçar. Não precisa ser no ano novo, não precisa ser na segunda-feira, não precisa ser do jeito que nossa mente ou a sociedade julgam como o ideal a ser seguido. Lembrar que temos que aproveitar os momentos bons, pois eles passam. Lembrar de suportar os momentos ruins, pois eles passam. E ambas as situações, no futuro, serão apenas lembranças do passado. Que com o cair das folhas a gente se lembre que também precisamos deixar algumas coisas morrerem, para a gente seguir de forma mais leve e melhor. Que façamos de março um bom (re)início. Todos os dias. 

Ana Débora, com carinho e gratidão
é provável que eu fique bem sumida
é outono em mim novamente
mas nunca se sabe
já que sou imprevisível, rs